África passará de um milhão de casos de Covid-19 nos próximos dias

África passará de um milhão de casos de Covid-19 nos próximos dias

Share With Your Friends

Redação* – redacao@negrxs50mais.com.br

A aceleração do número de infectados nas últimas semanas, levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a prever que a África passará de um milhão de casos de Covid-19 nos próximos dias. Em pouco mais de três semanas, os 54 países do continente chegaram a 889.457 casos (50% a mais em 14 dias) e a 18. 806 mortes.

Cinco países (Argélia, Egito, Gana, Nigéria e África do Sul) concentram quase 80% dos casos, com destaque para a África do Sul, com 62,75 %. As mortes também estão aumentando e foram 4.376 nos últimos 14 dias, com aumento de 22% em relação às duas semanas anteriores.

Países da África Subsaariana, que abrandaram o lockdown, tiveram 20% de elevação no número de casos nas últimas duas semanas. 

Feriado Eid al-Adha é preocupação da OMS

“Quando a África se aproxima de um milhão de casos, o continente está em um ponto crucial”, afirmou Matshidiso Moeti, diretor regional da Organização Mundial da Saúde (OMS) para a África. “O vírus se espalhou das principais cidades e chegou ao interior. Os países precisam manter o ritmo e descentralizar urgentemente seus principais serviços de atendimento. Ainda podemos impedir que o Covid-19 atinja o pico, mas a hora de agir é agora.”

O feriado islâmico Eid al-Adha (Festa do Sacrifício), que começou nesta quinta-feira, 30, e segue até segunda, dia 03 de agosto, é outra preocupação da OMS. Nesses dias as pessoas se encontram em reuniões sociais e religiosas. Por isso, há a preocupação de que o vírus se espalhe por áreas ainda não atingidas pelo Covid -19, caso as precauções necessárias não sejam tomadas. Para minimizar as consequências, a OMS divulgou antecipadamente orientações sobre medidas de saúde pública a serem adotadas no período.

“Ao nos aproximarmos da festa do Eid Al Adha, também há um risco aumentado de transmissão como resultado de reuniões sociais e religiosas. Qualquer decisão de restringir, modificar, adiar, cancelar ou prosseguir com a realização de uma reunião de massa deve basear-se em uma avaliação de risco padronizada. Deve também fazer parte de uma abordagem abrangente adotada pelas autoridades para responder à pandemia ”, disse o médico Ahmed Al- Mandhari, diretor regional da OMS para o Mediterrâneo Oriental.

Número de testes é baixo no continente

Embora as infecções estejam em elevação em todo o continente e já seja certo de que a África passará de um milhão de casos de Covid-19, a tendência é variada. Nove países da África Subsaariana registraram declínio de casos nas últimas três semanas. 

Os 10 países com mais casos

 Total de casosMortos
África do Sul471.123     (62,75 %)7.497 
Nigéria  42.208       (5,62 %)   873
Gana  35.142       (4,68 %)   175
Argélia  29.229       (3,89 %)1.186 
Kenya  19.125       (2,55 %)   311
Camarões  17.255       (2,3 %)   391
Etiopia  15.810       (2,11 %)   253
Costa do Marfim  15.713      (2,09 %)     98
Madagascar  10.317      (1,37 %)     99
Senegal    9.961       (1,33 %)   200
Fonte: OMS – Regional África

No Djibuti e na Tunísia poucos casos foram registrados nas últimas semanas e a maioria foi importada. No Egito, o segundo país mais populoso da África, e um dos mais atingidos pelo Covid-19, ocorreu um declínio nos casos nas últimas cinco semanas.

Países de língua portuguesa

 Total de casosMortos
Cabo Verde2.373   (0,32 %)23
Guiné Equatorial2.350    (0,31 %)41
Moçambique1.748   (0,23 %)11
Angola1.078   (0,14 %)48
Guiné7.183 (0,96 %)46
São Tomé e Príncipe   868    (0,12 %)15
Fonte: OMS Regional África

Apesar dos cerca de 7,7 milhões de testes realizados desde fevereiro, a subnotificação de casos é um desafio, pois os testes para o Covid-19 na África permanecem baixos em termos de referência global, embora a capacidade tenha se expandido significativamente.  O número de testes realizados por 10 mil habitantes em meados de julho ficou abaixo de cem em 43 países dos 54 avaliados. 

Parcerias locais para difundir prevenção

Para melhorar o monitoramento, a OMS tem apoiado os países com orientação técnica, equipamentos médicos e treinamentos remotos. Mais de 72 mil profissionais de saúde já participaram. Além disso, a entidade fez parceria com associações profissionais regionais e nacionais para desenvolver a capacidade existente.

Os dirigentes da OMS asseguraram que a entidade conhece as estratégias e tem as ferramentas para controlar a pandemia. Segundo disseram em entrevista coletiva virtual nessa quinta-feira, os profissionais de saúde estão fazendo tudo o que podem. “Devemos garantir que eles tenham um suprimento confiável de equipamentos de proteção individual, com suprimentos e medicamentos”, disseram.

Leia também:

Fonte: OMS Regional África Imagem em destaque: OMS Otto Bakano

negrxs50mais