Envelhecimento da população humana desafia sociedade despreparada

Envelhecimento da população humana desafia sociedade despreparada

Share With Your Friends

Por CEE-Fiocruz – redacao@negrxs50mais.com.br

O século 21 é um século de envelhecimento populacional sem precedentes, com suas consequências econômicas, sociais e políticas repercutindo em todos os países do mundo, escreve o demógrafo Joseph Chamie, em artigo publicado no site da agência de notícias IPS (Inter Press Service), em 5/1/2022. Conforme afirma o autor, o envelhecimento da população humana é “um futuro demográfico inevitável”, que desafia governos e público, mal preparados para esse cenário certo e muito diferente do que se configurou no século 20, caracterizado por rápido crescimento populacional e no qual a população mundial quase quadruplicou.

Atividades econômicas, investimentos, impostos, orçamentos, forças de trabalho, política, defesa, educação, habitação, estruturas familiares, transporte, recreação, aposentadoria, saúde são aspectos fundamentais da vida humana afetados pelo envelhecimento populacional. Este está ocorrendo em ritmo mais acelerado, resultado de menores taxas de natalidade e do aumento da longevidade, observa Chamie. Ele é ex-diretor da Divisão de População das Nações Unidas e autor de várias publicações sobre questões populacionais – entre eles, o livro mais recente, Births, Deaths, Migrations and Other Important Population Matters (Nascimentos, mortes, migrações e outras importantes questões populacionais).

Fertilidade em queda e expectativa de vida em alta

“Enquanto na década de 1960 a taxa de fertilidade total mundial e a expectativa de vida ao nascer eram, respectivamente, cinco nascimentos por mulher e 50 anos, os níveis atuais são de 2,4 nascimentos por mulher e 73 anos”. 

Além disso, contabiliza Chamie, na década de 1960, por exemplo, a idade média da população mundial era de 22 anos e a proporção de pessoas com 65 anos ou mais era de 5%. Hoje, a idade média aumentou para 32 anos e os idosos representam 10% da população mundial. A proporção de idosos com 80 anos ou mais triplicou desde 1960. O número de centenários deverá mais do que quintuplicar nos próximos trinta anos, passando de aproximadamente 600 mil hoje para 3,2 milhões em meados do século.

O número de centenários deverá mais do que quintuplicar nos próximos 30 anos. Subirá dos cerca de 600 mil atuais para 3,2 milhões.

Ernestine Shepherd- envelhecimento da população- redução gastos militares
Ernestine Shepherd, aos 85 anos

De acordo com o demógrafo, é esperado que quase todos os países do G20 – que, juntos, respondem por mais de 80% do PIB mundial, 75% do comércio global e 60% da população mundial – tenham, pelo menos, um quarto de suas populações com 65 anos e mais, até 2100. Em alguns deles – Brasil, China, França, Alemanha, Itália, Japão e República da Coréia – esse índice deverá ser de um terço ou mais.

Envelhecimento da população pode levar a redução de gastos militares

O cenário já impõe desafios aos países, em especial, devido ao declínio relativo dos trabalhadores que pagam impostos e contribuem para os sistemas de aposentadoria, ao mesmo tempo em que aumenta o número de aposentados. “Muitos países estão enfrentando escolhas difíceis”, observa Chamie. “Com o objetivo de evitar reformas orçamentárias controversas e aumentos de impostos impopulares, alguns governos estão reduzindo despesas e direitos para os idosos e transferindo mais custos de apoio, assistência e serviços de saúde para o indivíduo e suas famílias”. 
Trata-se de uma situação complexa, tendo em vista que o número de idosos que vivem sozinhos vem aumentando – estes são cerca de 33% entre os países da OCDE, com altas de mais de 40% em alguns países, como Dinamarca, Estônia, Lituânia e Suécia, destaca o demógrafo.

Para Chamie, o envelhecimento das populações, “especialmente entre as nações militarmente poderosas”, pode contribuir para os esforços de se garantir a paz mundial. “As necessidades, preocupações e perspectivas dos homens e mulheres idosos podem levar a reduções nos gastos militares e aumento nos gastos com benefícios, assistência e cuidados para os idosos”, considera.

*Texto publicado originalmente pela CEE-Fiocruz – Imagem de abertura: Marcelo Camargo/Agência Brasil.

Leia também:

negrxs50mais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.