A poesia de Julie Lua, da Conto de Fadas Periférico

A poesia de Julie Lua, da Conto de Fadas Periférico

Share With Your Friends

Escritora, poeta, mãe solo, mulher preta periférica, empreendedora com impacto social na Conto de Fadas Periférico, Julie lua, é a entrevistada de Nego Panda neste Escrita Preta. Aos 34 anos está engajada no processo de empoderamento de crianças em uma educação antirracista e anti machista. Participante das antologias “Elas e as letras diversidade e resistência” e “Erupções Feministas Negras”, do coletivo Louva Deusas, Gotas de Vinagre vol 3 e Sarau das Ostras 10 anos transformando versos em pérolas. Autora dos livros solos Contos da Lua e Mulher do fim do mundo.

Carolina musa

Eu escrevo porque dói
Eu escrevo porque estou de saco cheio
Eu não escrevo pra você ler
Eu escrevo pra desabafar
Pra não gritar
Pra parar de chorar
Escrevo pra resistir
Escrevo como Carolina
Um diário da favela
Das cenas cotidianas
Da dor normalizada
Escrevo e vocês aplaudem minha dor quando declamo
Gostam da miséria se alimentam de sofrimento
Por que a dor do outro é algo bonito
Mas eu não escrevo pra vocês
Escrevo pra outras mães
Que estão preocupadas se vão ter mistura no jantar
Escrevo porque tenho ódio dos políticos
Que nesse país promovem
A miséria de mulheres e crianças
Escrever é dizer que estou viva
E que a cada rima, a cada escrita
Honro as minhas!
Conte um pouco de como você se interessou pela literatura. Como foi se ver e se denominar escritora?

Sempre gostei de ler, desde a adolescência preferia ganhar um livro do que qualquer outro tipo de presente, mas não me identificava nas histórias vividas pelas personagens. Em 2016 comecei a escrever como forma de desabafo das dores cotidianas, tudo aquilo eu não conseguia gritar se tornava poesia, porém não me via escritora ou poeta. Esse processo de reconhecimento se deu ao longo dos anos, através de incentivo de amigos e de meu companheiro. Em 2019 lancei meu primeiro livro. Um romance, o que me fez me apropriar da terminologia escritora da qual hoje tenho muito orgulho. Minha escrita é simples e retrata a vivência de uma mulher mãe solo periférica.

Vejo muitas pessoas que falam que a arte não tem nada a ver com a política. Como você enxerga isso?

A arte sem função revolucionária, pra mim perde a função. Vejo a arte como contestadora capaz de indagar a ineficiência do estado, apontar as mazelas de um sistema racista e machista. Evidencio nas minhas poesias as minhas dores causadas por um sistema opressor e renvindico direitos através da escrita. Escrever é um ato revolucionário e libertador!

Como é a caminhada de uma mulher preta, periférica e mãe solo, no universo da poesia?

Por vezes solitária.  Muitas poesias são sobre minhas dores em um momento de solidão. No entanto, a poesia tem essa capacidade de nos conectar. Quando uma mulher se identifica com a minha luta não me sinto tão sozinha. Quando declamo em um sarau e sou ouvida, não me sinto tão sozinha. A poesia vem na minha vida pra romper os silenciamentos. Pra ultrapassar barreiras, a poesia avoa e chega aonde meus pés sequer sonharam em pisar!

Como você enxerga a atual conjuntura poética e política do país?

Não tem como escrever sobre flores em um país onde morrem milhares de pessoas diariamente. Não tem como não escrever sobre a fome, sobre o despreparo desse governo genocida. Vivemos em caos, liderados por um idiota e sua familícia. Esperamos dias melhores, mas vivemos uma realidade trágica e diária nas periferias.

Fale um pouco do seu novo livro Mulher do Fim do Mundo?
Conto de Fadas Periférico- Julie Lua- poesia

Mulher do fim do mundo são minhas vivências poéticas como mãe e mulher preta periférica. Retrata não apenas a minha dor, mas também a minha luta, as minhas conquistas. Mulher do fim do mundo foi inspirado em Carolina Maria de Jesus, que, assim como, eu era mãe solo de três crianças e lutava diariamente por sua sobrevivência. O livro traz uma reflexão sobre a contemporaneadade e os reflexos atuais das falas de Carolina. Ainda vivemos em um país de fome e ainda moramos em quartos do despejo!

Você tem um projeto de biblioteca comunitária. Como é esse trabalho?

Eu trabalho com recreação periférica nas comunidades da Baixada Santista há alguns anos. Com a pandemia não havia possibilidade de haver eventos e resolvi transformar o espaço da “Conto de fadas periférico” em uma biblioteca comunitária. O objetivo é que as crianças da minha comunidade tenham acesso a livros infantis de escritores negros. Empoderar crianças em uma educação antirracista e anti machista é o foco da biblioteca comunitária conto de fadas periférico!

Você acredita que a leitura é o caminho para empoderar nossas crianças negras?

Sim, é de extrema importância para a criança se ver retratada na literatura. Se identificar com os personagens, conhecer a cultura afro através dos livros. Como eu disse, quando eu era criança não tinha esse acesso. Cresci lendo Monteiro Lobato e, na fase adulta, percebi todo o racismo embutido em suas obras. Hoje temos uma crescentes de autores negros infantis. Trabalhar esses livros a fim de empoderar crianças é necessário e gratificante.

Mãe no Brasil é um lixo

Mãe é quem faz tudo
É quem acorda
É quem não dorme
É quem nem come
É quem anda a pé pra economizar a passagem
Comprar um agrado,
 um doce um salgado
Chegar em casa cansada depois do trabalho
sem homenagem, sem aplauso
Tirar o pacote do bolso e entregar na mão dos filhos
Mãe  é aquela que faz sacrifício para ver todo mundo sorrindo!
Tá pago, todo sofrimento foi pago
No momento do  sorriso,
Em um abraço apertado
Em um desenho rabiscado no papel amassado
Será guardado em uma caixa de sapato
Como se fosse um Picasso!
Toda mãe é artista, malabarista de orçamento
E nem por um  momento
diga que mãe é  vagabunda
que vive as custas de pensão
De benefício, de bolsa?
Minha bolsa não tem marca
É sacola de feira que sustenta família!
Absurdo escutar insulto de quem nem sabe a hora da xepa!
Mãe no Brasil é tratada como lixo
Resquício, sobra
Tipo  Ilha da Flores
 inversão de valores
Ofensa, vem dos senhores
Aplausos para esses filhos da puta
amada pátria mãe Brasil
Filhos de mulheres que pariu
Com dor,
Com força
Hoje é tratada como lixo
Pelo estado
Pelo ex que ainda se vê proprietário
Pensão atrasada, armário vazio
E ela na luta
Dona de casa, dona da porra toda
Mãe  enfermeira, professora
Mãe é doutora advogada
Em defesa das cria mãe arruma briga
Mãe de periferia tem o coração enorme
Faz almoço de domingo, família reunida
Quer geral em volta da mesa
Cê quer saber?
Pra mim toda mãe é uma Deusa!

No meio do caminho havia uma pedra

Pedras no plural
Afinal, tem  tantas pedras no meio do caminho da periferia
Uma rua sem asfalto,
Quase sem luz  e  esgoto a céu aberto
Uma rua de pedra,
Luz só com gato no fio
Ratos no chão
Correndo   de uma pilha de lixo pra outra
Sem meios  caminhos,  o jeito é sobreviver  no  meio do entulho
Morador do fim do mundo
João, menino da ruela
Não viu mal em atirar uma simples pedra
Contra uma janela, em forma de   protesto
Inspirado em poetas marginais periféricos
Gritou:
AS PEDRAS NÃO FALAM MAS QUEBRAM VIDRAÇAS!
Ouviu-se um boom em meio a viela e a voz do poeta ecoou na favela
Um eco vindo do disparo, arma, fardado e despreparado
Atingiu o menino
E antes que a pedra pesada cumprisse seu destino
A leve bala acertava seu alvo
Negro!
João
Caiu no meio do  caminho
O projétil no chão foi recolhido
O menino foi morto  na rua de pedras
Antes fosse  só as pedras no meio do caminho
São as  balas perdidas que sempre têm  o mesmo destino
Genocídio
De menino
Preto
Morador de favela
Já a pedra?
Essa desviou seu trajeto
João morreu inocente
Sem ter quebrado a janela

Contatos Julie Lua: Instagram e Facebook

Escrita Preta tem a curadoria do editor e poeta Nego PandaWhatsApp: (13) 996950466. Instagram@nego_pandaFacebookPoeta da Boêmia

Leia também:

negrxs50mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *