Editor e poeta, Nego Panda estreia como curador de poesia

Editor e poeta, Nego Panda estreia como curador de poesia

Share With Your Friends

Por Redação: redacao@negrxs50mais.com.br

O Negrxs50mais estreia nessa semana um espaço dedicado à poesia, dentro da editoria de Cultura. Para a curadoria convidou o editor e poeta Nego Panda. Ele é apresentado na entrevista a seguir e com a publicação de três textos seus.

Nego Panda é o nome popular de Elton Alexandre, nascido em 1975 em São Paulo (SP). Ele é Ogã, capoeirista, poeta, escritor, livreiro, arte educador, artesão e pedagogo. Idealizador do coletivo poético Sarau das Ostras e da editora artesanal Periferia tem Palavra, além de membro da Academia de Letras e Artes da Praia Grande. Nos anos 90 iniciou sua trajetória no hip hop, onde começou no processo de escrita por meio do rap e do samba. Acredita que a poesia brasileira está numa crescente com a produção das periferias e dos poetas pretes. Nesse mês lança “Poesia na Mira”, seu oitavo livro, que é um projeto contemplado pela Lei Aldir Blanc. Para sua editora, que já publicou mais de dois mil exemplares traços planos.

Nego Panda- Poesia- poeta-editor- estreia
Nego Panda
Como você começou na poesia como editor e poeta, Nego Panda?

Iniciei minha trajetória no hip hop no início dos anos 90, onde comecei meu processo de estra por meio do rap e do samba. Tive como influência e incentivadora minha mãe, dona Alzira, e minha irmã Goret, ambas escreviam embora não sem publicar nenhum dos seus escritos.

Como vê a poesia brasileira hoje?

Eu acredito que a poesia brasileira está numa crescente, através da poesia periférica e da poesia preta, embora financeiramente não seja assim tão rentável para nós, poetas e poetisas independentes. Mas podemos ver que tem surgido várias editoras e selos de poesia preta e periférica. Nós temos a crescente dos Saraus, dos Slams e a produção das feiras literárias espalhadas pelas periferias.

Por seguir à margem essa poesia preta e periférica por diversas vezes não tem o devido reconhecimento por parte das academias e muitos autores e autoras pretes acabam não tendo a oportunidade de ocupar esses espaços. Isso ficou bem claro com a rejeição da Conceição Evaristo na ABL (Academia Brasileira de Letras). Entendendo a importância de ter os nossos nesses espaços. Eu mesmo hoje ocupo a cadeira 15 da Alapg (Academia de Letras e Artes de Praia Grande), que tem como patrona Beatriz Moreira Costa, a Mãe Beata de Iemanjá.

Quais poetas acompanha ou admira?
Carlos de Assumpção- poesia- poeta- estreia
Carlos de Assumpção

Dentro do meu campo de leitura, eu gosto muito dos escritos de Mãe Beata de Iemanjá, Dona Mazé, Solano Trindade, Carlos de Assumpção, Conceição Evaristo, Akins Kinte, Débora Garcia, Elizandra Souza, Miró da Muribeca, Marah Mends, Julio Cesar Costa , Ornella Rodrigues, Sara Ostras, Sérgio Vaz, Ni Brisant, Vulgo Elemento… a lista é grande.

.

Como é a vida de editor em uma pequena empresa?

Manter uma editora não é algo fácil, uma editora artesanal, nem se fala. Mas, desde que foi idealizado o coletivo Sarau das Ostras, em 2010, a Periferia tem Palavra vem atuando na produção literária na região da Baixada Santista. Trouxe a oportunidade de produção e publicação para alguns autores e autoras. No início foram as antologias e os meus livros. Depois alguns escritores me procuraram e eu percebi que tinha um campo pra se trabalhar. E, mais do que isso, não apenas um campo de trabalho pra mim, mas oportunizar autores e autoras invisibilizados pelo mercado editorial.

Periferia tem Palavra- poesia- poeta- nego panda

Ao longo desse processo minha maior satisfação foi produzir o livro da Dona Mazé. Mulher preta periférica, mãe solo a qual tivemos a oportunidade de fazer um curta que está disponível no canal do Youtube  Nego Panda Poeta da Boemia.

A editora Periferia tem Palavra tem o foco na literatura preta e marginal periférica, visando oportunizar essa escrita de chegar ao mercado. Nessa caminhada foram mais de dois mil exemplares de livros publicados entre antologias e livros solos de diferentes autores.

Quais são os planos imediatos?

Faço aqui o convite para que conheçam o meu livro Poesia na Mira. Um projeto contemplado pela Lei de emergência cultural Aldir Blanc que estou lançando neste mês.

Os poemas

Nego Panda - poemas - poesia - minha poesia preta
Nego Panda - poemas - poesia - Força ancestral

Livro do Nego Panda publicados

  • Poesias de um mundo louco
  • Assuntos D’Versos
  • No balanço da mandinga
  • O artesão da Palavra
  • Na Cabaça do meu gunga
  • Entre os ritos da Negaça
  • Poesia Ancestral

Contatos:

WhatsApp: (13) 996950466 e Instagram: @nego_pandaFacebook: Poeta da Boêmia

Leia também:

negrxs50mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *