Com os pés no terreiro Áurea Martins lança álbum “Senhora das Folhas”

Com os pés no terreiro Áurea Martins lança álbum “Senhora das Folhas”

Share With Your Friends

Por Na Caixa de CD* – Redação – redação@negrxs50mais.com.br

Uma das grandes vozes femininas brasileiras, Áurea Martins se veste de folhas e saberes das rezadeiras, curandeiras e benzedeiras do Brasil, mulheres-matrizes fundamentais no esgarçado tecido social de um país profundo. Já disponível nas plataformas digitais, o álbum “Senhora das Folhas” é uma visita da cantora à sua ancestralidade. Conhecida intérprete de sambas-canção (a artista que marcou sua carreira como crooner em casas noturnas cariocas nos anos 1960 e 70), Áurea pôs os pés no terreiro e experimenta ritmos do universo afro-indígena, tão intenso e tão brasileiro. A veterana cantora faz o show de lançamento desta trabalho singular em sua trajetória nesta terça-feira (5), a partir das 20h, no Teatro Prudential.

Os cantores Moyseis Marques e André Gabeh, que participam do disco, são os convidados de Áurea, que será acompanhada por músicos de primeira grandeza: Lui Coimbra (direção musical, violoncelo, violões, rabeca e charango andino), Fred Ferreira (violas e guitarras), Marcos Suzano (pandeiro e percussões) e Pedro Aune (contrabaixo acústico e tuba).

Áurea Martins - Senhora das Flores- capa do disco
Capa do disco Senhora das Folhas

Contemplado pelo edital Natura Musical e distribuído pela Biscoito Fino, “Senhora das Folhas” reúne 11 canções capazes de transformar a artista numa legítima porta-voz da essência feminina que acumulou e preservou tantos saberes séculos a fio. No repertório, incelenças do sertão de Minas Gerais e bendito medieval ganham roupagem luxuosa e camerística que une viola caipira, violoncelo e viola da gamba. Esses se unem a canções ultrajovens como “A Rezadeira” do rapper Projota e “Ponto das Caboclas de Camila Costa”. Também a um canto do povo Parakanã e um poema da etnia Macuxi. Além de sambas de lá do recôncavo e daqui do Rio de Janeiro, compondo um disco surpreendente e contemporâneo, reverente e iconoclasta, que tece como num bordado o diálogo entre os imaginários urbano e rural do país.

Voz de refinamento curtido aos 82 anos

Foi como cantora da noite que Áurea construiu o refinamento curtido de sua voz. Vê-la encarnada agora, aos 82 anos, como sacerdotisa da floresta, benzedeira, ialorixá, anciã indígena, tia da comunidade, ao longo das 11 faixas deste álbum, é revelador. Nos apresenta uma face de sua alma até então oculta — para nós e para a própria Áurea.

Seu canto em “Senhora das folhas” soa novo em folha por nos revelar com nitidez sua essência. É atestado dos tempos, ventos e folhas que cabem na voz da artista.

Áurea Martins nos conta que o universo das rezadeiras reside em sua memória na figura de dona Francelina, sua avó, senhora centenária que a rezava (“fui rezada por folha”) quando ela era criança em Campo Grande, bairro carioca onde nasceu e cresceu e para onde pretende voltar um dia. Lembra Justina, que sucedeu Vovó Francelina na função — e depois foi sucedida por Tia Zélia, que ensinou Áurea a ler e a escrever. É esta matrilinearidade que atravessa seu canto em todo o álbum.

Projeto lança luz sobre saberes populares femininos

A cantora evoca essas memórias na sala de sua casa, no Catete, que assume ares de microcosmo deste universo tão amplo: Santo Antônio no altar; vaso com espada de São Jorge à porta; numa banqueta, apoiados lado a lado, os livros “Escravidão: volume II”, de Laurentino Gomes, e “Plantas medicinais”; e na parede retratos de Ghandi e Mokiti Okada, fundador da Igreja Messiânica, da qual ela é fiel.

Áurea Martins - Senhora das Flores- lançamento disco
Áurea Martins – ‘Senhora das Folhas – Foto: Dan Coelho

O projeto “Senhora das Folhas” nasceu do desejo de Renata Grecco, idealizadora e diretora artística do álbum, de lançar luz sobre este recorte da teia invisível de saberes populares tradicionais femininos, que atravessa o Brasil. “É uma sororidade silenciosa”, define. “Uma teia de afetos e fazeres que, no Brasil profundo, nos lugares onde pouco chega o poder público, ajuda a manter coeso o frágil tecido social. São mulheres que se dedicam ao cuidar da comunidade, das plantas, do que nasce e precisa ser protegido, do que morre e precisa renascer. De qualquer um que chegue em dores às suas portas. Exercem seus dons de maneira gratuita e graciosa. São mulheres-matriz. Avós, guardiãs. Pontes tangíveis entre o visível e o invisível. Foi guiada por esse olhar que comecei a pesquisar e definir o repertório”, explica.

Renata destaca que a parceria do Natura Musical foi fundamental para que o projeto fosse executado exatamente da forma como foi planejado. “Somos muito gratos também à Biscoito Fino também, que foi casa e acolhimento para o disco”, acrescenta.

Uma vida de reinvenções

Lui Coimbra, que assina a produção fonográfica e também a direção musical de “Senhora das Folhas”, construiu a sonoridade do álbum com uma ideia central em mente. “Parti da voz de Áurea Martins, sempre. Mesmo ela nunca tendo cantado esse tipo de repertório, era esse o norte”, conta o arranjador, que alcançou assim uma sonoridade refinada e enraizada como o canto de Áurea. Para tanto usou de programações eletrônicas a viola da gamba, mas sem perder de vista a essência de cada uma das canções.

A vida toda tive que me reinventar. A volta ao mundo em 80 dias é para os fracos, a volta ao mundo é em 80 lives!” brinca a cantora, ciente de que seu tempo de colher é hoje. “Não queríamos um disco apenas de resgate, de registro de campo. Meu jeito de pensar música é esse, honrando e reverenciando a tradição, mas sem engessá-la, o ritual e o disco são lugares diferentes”, argumenta o produtor.

Ouça o disco:

*O blog Na Caixa de Cd é parceiro do Negrxs 50+ no compartilhamento de conteúdos.

Leia também:

negrxs50mais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.